Acho que esse momento foi exatamente quando abaixaram as barreiras de entrada e todo mundo pôde produzir conteúdo. É preciso saber escrever código para fazer arte. Ou tudo vira pop-art.

Teve um momento específico nos meados da década de 2000 que a internet deixou ser arte. Sim, ela já foi arte. Vamos torcer que ela se reencontre como aconteceu com a TV.

Em 2021 vou chutar o balde. Quero trabalhar em projetos artísticos coletivos e escrever poesia. Minha versão de crise de meia idade.

Boa parte da ficção se baseia no desejo humano que as mudanças sejam abruptas e óbvias ao invés desse conta gotas interminável de aporrinhações sem sentido.

Já imaginou a mulher do Mogli, é, o menino criado pelos lobos, tendo que visitar os pais do marido pra comemorar o Natal?

Quem diria em março que a gente ia chegar em dezembro? Parabéns pra todos nós que, entre altos e baixos, chegamos até aqui. Sintam-se abraçados. TMJ.

É engraçado como nossa relação com as pessoas e nossas expectativas a respeito delas é calcada em produtos e consumo. Terceirizamos nossas identidades. Por isso o povo fica tão revoltado se colocam a cueca do Super Homem por cima ou por baixo da calça. Tudo virou ataque pessoal.

Halt and Catch Fire, segunda temporada, episódio 5 de 10. Gordon tem atrofia cerebral, Joe e Cameron vão se confrontar e Donna está grávida em segredo. Não há melhor definição de point of no return.

Na verdade, seríamos a geração perfeita para administrar a extinção gradual da raça humana. Quando foi mesmo que essa ideia perdeu força?

Acho que uma das maiores satisfações de fazer parte da geração X é ter a certeza absoluta que o mundo está além de salvação e que nada que eu faça poderá leva-lo a uma utopia, que, cá entre nós, será apenas a distopia de outro. The Lost, The Beat and The X Generations.

A diferença que a ética faz: perder roubado é triste mas compreensível; perder roubando é patético e merecido.

Meu nível de cansaço é tal que estou assistindo a uma comédia romântica com Katherine Heigl e me sentindo desafiado intelectualmente

Graças ao site da Biblioteca Nacional achei a minha primeira crônica publicada no Diário do Pará em 1990. 30 anos atrás.

Uma versão de Crise nas Infinitas Terras só com as personagens das novelas do Manoel Carlos. Qual Helena irá prevalecer na Terra Prime?